-PUBLICIDADE-

Um grupo de turistas que estão na Rússia para conferir os jogos da Copa do Mundo, organizaram uma sútil manifestação pró-LGBT no país, onde qualquer exposição que possa ser considerada como propaganda-gay é altamente proibida por lei.

Torcedores de diferentes nações que concorrem à Taça do mundo fizeram um ato para comemorar o dia internacional do Orgulho LGBT, no último dia 28 de junho, como parte da campanha #HiddenFlag (bandeira invisível), da entidade FELGBT, na qual cada membro vestia a camiseta da seleção do seu país, que juntos formavam as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT.

O manifesto contou com ativistas da Argentina (Vanesa Paola Ferrario), Brasil (Eloi Pierozan), Colômbia (Matthew Fernandez), Espanha (Marta Márquez) , Holanda (Eric Houter) e México (Guillermo Aguilar).

O ato teve como objetivo denunciar a situação do coletivo LGBT na Rússia, que desde 2013, proíbe qualquer manifestação pública de visibilidade, e que passam por várias violações LGBTfóbicas.

O presidente Uge Sangil, presidente da FELGBT, explicou: “Enquanto todos davam atenção à Rússia para a Copa do Mundo, a Federação Estadual de Lésbicas, Gays, Trans e Bissexuais encontrou a oportunidade para protestar contra a situação e chamar a atenção para a causa com um protesto sutil e original: infiltrar a bandeira do arco-íris, desafiando a legislação russa”, afirmou.

Vale ressaltar que todos os presentes no protesto são LGBTs, exceto o holandês Eric Houter, que é heterossexual cis, mas já esteve de frente com a LGBTfobia, quando viu de perto o seu irmão, que é bissexual, sofrer discriminação por causa da sua orientação sexual.

Para conhecer mais sobre a campanha, acesse: http://www.thehiddenflag.org.

Texto Marcus V. Xavier – Redator chefe

Facebook

Instagram

Diz aí, o que achou?

-PUBLICIDADE-